As a writer / Um escritor

“As a writer one doesn’t belong anywhere. Fiction writers, I think, are even more outside the pale, necessarily on the edge of society. Because society and people are our meat, one really doesn’t belong in the midst of society. The great challenge in writing is always to find the universal in the local, the parochial. And to do that, one needs distance.” – William Trevor

“Um escritor não pertence a lugar nenhum. Escritores de ficção, eu acho, estão ainda mais fora dos limites, estão necessariamente à margem da sociedade. Porque a sociedade e as pessoas são a nossa carne, um escritor realmente não pertence à sociedade. O grande desafio na escrita é sempre encontrar o universal naquilo que é local, no paroquial. E para fazer isso, é preciso distância.” – William Trevor

Fonte: Go Into the Story

Reminders / Lembretes

“1. Contrary to popular belief, waking up early isn’t going to drastically alter your life or effect how you’re feeling. So sleep till noon and relish in the way laying in bed all day makes you feel a little more human.

2. Drinking your coffee ‘black’ doesn’t make you cooler or more sophisticated than the rest of us who load in milk and sugar.

3. Being unimpressed by everything makes you look like a twat. Get excited, be overly passionate about something. Enthusiasm is fun.

4. Hating yourself isn’t romantic.

5. Eat whatever you want. your friend’s a vegan? Awesome. Listen to her talk about how great she feels because of it while you tuck in to some chocolate cake. Tell her you feel just as great.” More Reminders, Charlotte Geier

 

 

“1. Ao contrário da crença popular, acordar cedo não vai mudar sua vida drasticamente ou afetar a forma como você está se sentindo. Então, durma até meio-dia e se delicie com o fato de que deitar na cama o dia todo faz você se sentir um pouco mais humano.

2. Beber o seu café “preto” não faz de você mais legal ou mais sofisticado do que o resto de nós que colocamos leite e açúcar.

3. Não se impressionar com nada faz você parecer um idiota. Anime-se, seja excessivamente apaixonado por alguma coisa. O entusiasmo é divertido.

4. Odiar a si mesmo não é romântico.

5. Coma o que quiser, seu amigo é vegano? Incrível. Escute quando ela falar sobre o quanto se sente bem por causa disso enquanto você come um bolo de chocolate. Diga a ela que você se sente bem também.” –More Reminders, Charlotte Geier

Fonte: Book Nymph

Home / Casa

Pois é…

“It’s funny. When you leave your home and wander really far, you always think, ‘I want to go home.’ But then you come home, and of course it’s not the same. You can’t live with it, you can’t live away from it. And it seems like from then on there’s always this yearning for some place that doesn’t exist. I felt that. Still do. I’m never completely at home anywhere.”  -Danzy Senna  

 

 

“É engraçado. Quando você sai de casa e vagueia para muito longe, você sempre pensa: ‘Eu quero ir para casa’. Mas então você chega em casa e, claro, não é a mesma coisa. Você não pode viver ali e você não pode viver longe dela. E parece que a partir de então, há sempre esse anseio por algum lugar que não existe. Eu senti isso. Ainda sinto. Em qualquer lugar que eu estiver, eu nunca estou completamente em casa. ” -Danzy Senna  

 

Fonte: Book Nymph

Virgin / Virgem

Para pensar.

 

“Ancient moon priestesses were called virgins. ‘Virgin’ meant not married, not belonging to a man – a woman who was ‘one-in-herself’. The very word derives from a Latin root meaning strength, force, skill; and was later applied to men: virile. Ishtar, Diana, Astarte, Isis were all called virgin, which did not refer to sexual chastity, but sexual independence. And all great culture heroes of the past, mythic or historic, were said to be born of virgin mothers: Marduk, Gilgamesh, Buddha, Osiris, Dionysus, Genghis Khan, Jesus – they were all affirmed as sons of the Great Mother, of the Original One, their worldly power deriving from her. When the Hebrews used the word, and in the original Aramaic, it meant ‘maiden’ or ‘young woman’, with no connotations to sexual chastity. But later Christian translators could not conceive of the ‘Virgin Mary’ as a woman of independent sexuality, needless to say; they distorted the meaning into sexually pure, chaste, never touched.” Monica Sjoo, The Great Cosmic Mother: Rediscovering the Religion of the Earth

 

“Antigas sacerdotisas da lua eram chamadas “Virgens”, o que significava que não eram casadas, que não pertenciam a nenhum homem – uma mulher que era “uma-em-si mesma”. A própria palavra deriva de uma raiz latina que significa resistência, força, habilidade e foi mais tarde aplicada aos homens com a palavra viril. Ishtar, Diana, Astarte, Ísis eram todas chamadas Virgens, o que não se referia à castidade sexual, mas sim  independência sexual. E todos os grandes heróis culturais do passado, míticos ou históricos, teoricamente nasceram de mães virgens: Marduk, Gilgamesh, Buda, Osíris, Dionísio, Genghis Khan, Jesus – todos eles são ditos como sendo filhos da Grande Mãe, da Original, seus sábios poderes foram derivados dela. Quando os hebreus usaram a palavra, no original aramaico, significava ‘solteira’ ou ‘jovem’, sem as conotações sexuais a castidade. Mas, mais tarde os tradutores cristãos não poderia conceber a “Virgem Maria” como uma mulher sexualmente independente, nem preciso dizer; eles distorceram o significado em sexualmente pura, casta, nunca tocada.” -Monica Sjoo, The Great Cosmic Mother: Rediscovering the Religion of the Earth

Via And your little ugly world

Don’t quit / Não desista

Bom conselho.
“Don’t quit. It’s very easy to quit during the first 10 years. Nobody cares whether you write or not, and it’s very hard to write when nobody cares one way or the other. You can’t get fired if you don’t write, and most of the time you don’t get rewarded if you do. But don’t quit.” —ANDRE DUBUS
“Não desista. É muito fácil desistir durante os primeiros 10 anos. Ninguém se importa se você escreve ou não e é muito difícil escrever quando, seja como for, ninguém se importa. Você não pode ser demitido se você não escrever e na maioria das vezes você não é recompensado se o fizer. Mas não desista.” -Andre Dubus

 

Via WriteWorld

Being a writer / Ser um escritor

“The hardest thing about being a writer is convincing your wife that lying on the sofa is work.” –John Hughes

“A coisa mais difícil de ser um escritor é convencer sua esposa que ficar deitado no sofá é trabalho.” – John Hughes

Não só convencer a mulher, mas convencer todo mundo hehe

Via Go Into the Story