O Quarto Mundo – Lançamento

Pessoaaaal!!! O lançamento do meu novo livro “O Quarto Mundo” vai ser na Bienal, dia 23/08 às 19h. Espero todo mundo lá!!!

 

IMG_20140805_164508[1]

 

Vou colocar a sinopse do livro aqui.

“Em um mundo onde os homens não estão vivos, nem mortos, os Deuses dão aos sermérios a Pedra do Destino, que determina quem volta à vida e quem deve morrer. Porém, quando Grant se torna o rei dos sermérios, decide esconder a Pedra do Destino. Em meio a uma batalha em alto mar – da marinha contra os piratas – Steven, o médico da tripulação, dois de seus companheiros, Richard e Hubert, e um dos piratas, Thomas, se afastam do combate em um pequeno barco e avistam a luz de um farol, habitado por uma mulher misteriosa chamada Virgínia. Ela oferece a eles o mapa de um mundo que eles nunca haviam visto e que os conduzirá por uma aventura cheia de mistérios e perigos.”

C.S. – Fantasmas no Convento

  Meu novo livrooooo!!! Nessa edição você encontra o primeiro e o segundo C.S., assim como o passado dos personagens. Por enquanto só está disponível na Amazon, demora um pouquinho para chegar, mas chega 😉 Obrigada para todos que ajudaram e para os meus leais leitores =D   Para comprar …

Virgin / Virgem

Para pensar.

 

“Ancient moon priestesses were called virgins. ‘Virgin’ meant not married, not belonging to a man – a woman who was ‘one-in-herself’. The very word derives from a Latin root meaning strength, force, skill; and was later applied to men: virile. Ishtar, Diana, Astarte, Isis were all called virgin, which did not refer to sexual chastity, but sexual independence. And all great culture heroes of the past, mythic or historic, were said to be born of virgin mothers: Marduk, Gilgamesh, Buddha, Osiris, Dionysus, Genghis Khan, Jesus – they were all affirmed as sons of the Great Mother, of the Original One, their worldly power deriving from her. When the Hebrews used the word, and in the original Aramaic, it meant ‘maiden’ or ‘young woman’, with no connotations to sexual chastity. But later Christian translators could not conceive of the ‘Virgin Mary’ as a woman of independent sexuality, needless to say; they distorted the meaning into sexually pure, chaste, never touched.” Monica Sjoo, The Great Cosmic Mother: Rediscovering the Religion of the Earth

 

“Antigas sacerdotisas da lua eram chamadas “Virgens”, o que significava que não eram casadas, que não pertenciam a nenhum homem – uma mulher que era “uma-em-si mesma”. A própria palavra deriva de uma raiz latina que significa resistência, força, habilidade e foi mais tarde aplicada aos homens com a palavra viril. Ishtar, Diana, Astarte, Ísis eram todas chamadas Virgens, o que não se referia à castidade sexual, mas sim  independência sexual. E todos os grandes heróis culturais do passado, míticos ou históricos, teoricamente nasceram de mães virgens: Marduk, Gilgamesh, Buda, Osíris, Dionísio, Genghis Khan, Jesus – todos eles são ditos como sendo filhos da Grande Mãe, da Original, seus sábios poderes foram derivados dela. Quando os hebreus usaram a palavra, no original aramaico, significava ‘solteira’ ou ‘jovem’, sem as conotações sexuais a castidade. Mas, mais tarde os tradutores cristãos não poderia conceber a “Virgem Maria” como uma mulher sexualmente independente, nem preciso dizer; eles distorceram o significado em sexualmente pura, casta, nunca tocada.” -Monica Sjoo, The Great Cosmic Mother: Rediscovering the Religion of the Earth

Via And your little ugly world

Tanek e Christa

Tanek era o pai de Brianna. Quando Christa se mudou para o Vale do Rubi, Tanek logo sentiu que ela era diferente. Não era como ele e seus clientes, mas também não era humana. Era algo maior e por isso foi falar com ela. Ele só queria saber quem ela …

Passado de Christa

Há muito tempo atrás, Christa se apaixonou por um mortal. Ele não era, porém, o tipo de mortal por quem as valquírias normalmente se apaixonam; era um assassino profissional. Os dois ficaram juntos na terra por dois anos e então, certo dia, ele recebeu um trabalho que consistia em matar …

Dia 1

Então, depois de tudo o que passei resolvi começar a escrever o que andei pesquisando. Ainda não tenho muita coisa, mas acho bom anotar por dois motivos: primeiro para que eu não esqueça e segundo para que alguém tenha algo em que se apoiar no futuro e não fique como …