Thomas – O Quarto Mundo

O que Steven, Richard e Hubert não sabiam sobre Thomas, era que ele não era um pirata qualquer. Ele era um corsário contratado pela rainha e era filho de Duque.

Estudou nos melhores colégios da região, mas perdera os pais cedo e com isso ele herdara muito dinheiro que mais tarde perdeu em investimentos que deram errado.

Resolveu seguir um capitão que ia para guerra e com ele aprendeu a arte da marinha.

Ele obteve a autorização para construir seu próprio navio e com esse navio ele queimou cidades e saqueou muitos tesouros. Alguns foram para o seu país e outros ele escondeu.

Thomas não tinha amigos no navio, para ele eram todos subalternos, todos dispensáveis, mas ele gostava de sentar perto do leme e ficava ouvindo a conversa da tripulação.

Entre as conversas havia um mito que era o seu assunto preferido. O mito dizia que certa vez um marinheiro quase se afogou e quando voltou em si contou ver seres de orelhas pontudas em um deserto. Sem conseguir tirar aquilo da cabeça, ele foi ver uma bruxa e ela lhe disse que há um mundo entre o nosso e o mundo dos Deuses e dos Mortos para onde os que estão entre a vida e a morte vão. O marinheiro lhe implorou para ela o levar para esse mundo, ele se despediu de seus companheiros, que acharam que era tudo assunto de quem tomou muita bebida, e desapareceu. Ninguém mais o viu ou ouviu falar nele e quando seus amigos foram perguntar à bruxa, ela também tinha desaparecido.

Ele estava ali, escutando essa história pela quarta vez, quando avistou o navio em que Steven, Hubert e Richard estavam.

Era hora de trabalhar.

(Thomas é um personagem do meu livro O Quarto Mundo, para saber mais sobre o livro clique aqui.)