Tanek

Dois anos antes de Carlos aparecer no Vale do Rubi, Brianna namorava Jean, um necromante. Os dois se mudaram para um apartamento na cidade, ela continuava trabalhando com seu pai e ele fazia seus trabalhos de necromante. Certo dia seu pai recebeu um chamado de um antigo amigo chamado Brock que tinha caído em uma armadilha e estava em dificuldade. Tanek queria ir atrás do seu amigo sozinho, mas Brianna insistiu em ir junto e ele não teve que ceder. Jean foi junto e Jamal ficou cuidando do bar.

Segundo a mensagem ele estava em um castelo abandonado que ficava a poucos quilômetros do Vale. Tanek não sabia o que ele estava fazendo ali, mas conhecendo seu amigo, tinha uma boa ideia: provavelmente estava atrás de coisas preciosas para vender a colecionadores, era a única coisa que sabia fazer e que lhe interessava.

Chegaram lá sem saber exatamente o que fariam. Seu pai disse que ele devia ter caído em alguma espécie de poço e eles só teriam que tirá-lo dali.  Para enviar a mensagem seu amigo usou um ritual que só permitiu lhe dizer sua localização. O lugar estava caindo aos pedaços, Tanek disse para eles se separarem e cada um foi para um lado. Começaram a chamar o nome dele, mas não houve resposta.

Tanek subiu algumas escadas e quase caiu quando um dos degraus se desfez sob seus pés. Ouviu um barulho de algo se arrastando e seguiu até chegar a uma torre. O trinco da porta estava quebrado, ele a empurrou e viu um buraco no chão. Ajoelhou-se e olhou para o fundo sem ver nada além de escuridão. Chamou pelo seu amigo e ouviu o eco da própria voz retornar, mas não foi a única coisa que retornou, alguém respondeu, mas ele não conseguiu entender o que disseram, pois um eco se sobrepôs ao outro. Quando estava colocando a mão na cintura para pegar a corda que tinha presa no cinto, uma lâmina transpassou seu peito e alguém o chutou para dentro do buraco. Enquanto caía  chamou por Brianna.

Caiu por dois minutos tentando arrancar a lâmina, mas não conseguia. Era o sabre dos anjos, a única arma capaz de matá-lo, quando bateu no fundo soltou um grito de dor. Uma voz grave na escuridão falou com ele pedindo desculpa e dizendo que era uma armadilha. Era Brock. Tanek fez uma chama aparecer na sua mão e a aproximou do homem. Estava definhando, devia estar lá há muito tempo, pois era só pele e osso, suas mãos e pés estavam acorrentadas e mal conseguia falar. Tanek perguntou quem tinha feito aquilo e seu amigo respondeu que era um padre. Ele perguntou se sabiam de Brianna. O homem anuiu.

Antes que Tanek gritasse, Brianna e Jean estavam cada um em um quarto, as portas se fecharam e se trancaram. Brianna estava no segundo andar, quebrou a janela com a mão, cortando o braço e se pendurou, com os pés quebrou a janela do andar debaixo e entrou novamente. Primeiro foi soltar Jean, não foi difícil encontrá-lo, visto que esmurrava a porta. Assim que o libertou, eles ouviram o grito de Tanek e correram.

Quando estavam no meio da escada viram um padre que descia. Brianna saltou em cima dele, mordeu seu pescoço e o matou quase imediatamente. Eles correram até o alto da torre e chamaram por Tanek. Brianna saltou para dentro do buraco se apoiando na parede para amortecer a queda.

Seu pai já estava morto. Ela retirou o sabre, mas a pele dele já estava cinza e seus olhos vidrados. Brock lhe contou o que houve, o ritual foi feito pelo padre utilizando seu sangue. Brianna perguntou como o padre ficou sabendo do seu pai e ele contou que as freiras de um convento que fica perto do Vale que descobriram e o chamaram, também disse que elas sabiam dela. Jean chamou por ela. Brianna pegou a corda do pai e eles  alçaram os dois.

Brianna era apática e assim ficou por muito tempo. Eles levaram seu pai e seu amigo de volta para o Vale do Rubi. Enterram seu pai no cemitério da cidade e Brock se recuperou em pouco tempo. Brianna anunciou que ia atrás das freiras. O amigo de seu pai, Jean e Jamal disseram que iam junto.

Foi um massacre. Os quatro entraram por todos os lados matando sem fazer perguntas e sem ver quem eram. Só pararam quando estavam todas mortas. Mas não era o suficiente. Não queria que aquele convento fosse reaberto. Queimaram o lugar com todos os corpos dentro e foram embora.

Brianna guardou o sabre com ela. Tentou destruí-lo, mas não conseguiu. Depois do furacão causado pelo baú de Christa o sabre se perdeu. Brock foi embora e de vez em quando escrevia para saber notícias e dizer onde estava.

 

(Esses são personagens do livro C.S. – Detetive Particular, para saber mais sobre o livro clique aqui.)

Marina Sandoval