Passado de Christa

Há muito tempo atrás, Christa se apaixonou por um mortal. Ele não era, porém, o tipo de mortal por quem as valquírias normalmente se apaixonam; era um assassino profissional.

Os dois ficaram juntos na terra por dois anos e então, certo dia, ele recebeu um trabalho que consistia em matar uma pessoa importante; ele falhou e foi seriamente ferido, mas conseguiu escapar e voltou para o seu esconderijo onde Christa o esperava. Apesar dos seus esforços, ela não conseguiu salvá-lo, então fez a única coisa que podia para continuar com ele: levou sua alma para o Valhalla.

Durante um tempo ninguém percebeu que aquela alma não pertencia aquele lugar onde só residiam almas de heróis, quando, porém, seu amado se meteu em uma briga, eles descobriram a verdade, Odin expulsou a alma do assassino para o mundo dos mortos ignorando todas as súplicas de Christa.

Inconformada e obstinada, ela foi ao mundo dos mortos com a intenção de trazê-lo de volta; lá encontrou um exército pronto para expulsá-la; ela recuou, mas ainda não tinha desistido. Fingiu ter aceitado o destino do assassino e secretamente recrutou almas de jovens mulheres que morreram com o coração partido, prometendo a elas a chance de se vingar, ela criou o seu próprio exército e voltou ao mundo dos mortos.

A batalha foi árdua para ambos os lados e ela ameaçou abrir as portas do mundo dos mortos e deixar todas almas saírem, mas a guerra já tinha chegado aos ouvidos de Odin. O Deus levou seu exército para as portas do mundo dos mortos. Odin levou com ele um baú feito para aprisionar almas. Assim que teve oportunidade, em meio a batalha, utilizando um disfarce, o Deus conseguiu se aproximar da valquíria furtivamente; quando ela se deu conta, Odin estava ao seu lado, forçando sua mão a empurrar o besouro. O baú se abriu, sua alma foi sugada e ela caiu na terra com o que restava do seu exército.