O menino na neve

O que ele podia fazer a não ser ficar ali na neve. Já estava de noite, sua mãe tinha saído fazia muito tempo, sabe Deus para onde. Seu pai estava dentro de casa fazendo muito barulho.

O menino gostava do branco da neve, lhe trazia paz. Ouviu o barulho do carro, pronto, ela chegou. Passou pela porta e ouviu os dois falando alto. Ele sempre quis saber o que se passava nas outras casas. Será que aquilo era normal? De repente sua mãe sai de casa, ele sente o seu perfume quando ela passa por ele sem nem lhe dignar um olhar. Mais uma noite aqui fora, ele pensou.

Quando os primeiros raios do sol encostaram no rosto do menino, ele acordou. Aquilo não era nada bom. O pai saiu de dentro da casa e ficou olhando para o menino com uma cara triste, daqui a pouco a mãe apareceu e os dois ficaram ali olhando para o menino. “Parece que ele não resistiu.” Disse o pai.

“Eu ouvi dizer que vai nevar semana que vem, podemos fazer outro.”

“Talvez um maior, mais resistente.”

“Nunca vamos ganhar o concurso de boneco de neve com um boneco tão pequeno. Eu espiei os vizinhos ontem a noite, os bonecos deles estão usando roupas e são maiores do que eu…”

“Vamos, semana que vem tem mais neve.”

Haha, te peguei 😉

(Este é outro exercício do meu livro.)